Thursday, 12 October 2017 19:27

Sempre Bela

Written by

Não vou dizer muito, quem olhar e observar a imagem dirá a sensação que ela lhe provoca. Eu sou suspeita a dizer qualquer coisa... não me canso de olhar de observar e de ficar ali na margem do rio a reflectir e a admirar a minha sempre bela Vila de Coruche espelhada no Sorraia


Sunday, 01 October 2017 15:57

'A minha escola'

Written by

Hoje senti-me profundamente emocionada e nostálgica, quando me desloquei com a minha mãe à mesa de voto para ela exercer o seu dever cívico. O edifício é enigmático, surpreendente, carregado de história, com uma áurea mística e a prova de como o tempo passa a correr. Ainda ontem era o dia 7 de outubro de 1965, em que pela mão da minha avó paterna eu cheguei a esta edifico para começar o meu percurso escolar. Foi este o espaço que me acolheu em outubro de 1965, em que este pátio hoje coberto de folhas caídas era um verdadeiro jardim colorido cheio de rosas e malmequeres. Hoje é um edifício perdido no tempo igual a tantos outros que encontramos pelo nosso Portugal completamente ao abandono mas carregados de história!


Friday, 29 September 2017 18:11

Silêncio

Written by

“Existe no silêncio, uma tão profunda sabedoria que às vezes ele se transforma na mais perfeita resposta.” (Fernando Pessoa).


Friday, 05 May 2017 18:45

O Carvão de Santana do Mato

Written by

Em Santana do Mato há produção de carvão vegetal, não tem nada de secreto. Madeira de sobreiro e azinho são colocados e empilhados nos fornos, em forma de iglos construídos com cimento, tijolo e saibro. Cada forno produz cerca de 3.200 a 3.300 quilos de carvão, fruto da transformação da madeira submetida a intenso calor ao longo de três a cinco dias. Os fornos tem um arrefecimento de 8 dias para se posa colocar nova fornada. Para ficarem com conhecimento gasta-se nos fornos de Santana do Mato por mês mais ou menos 400 toneladas de madeira.


Wednesday, 29 March 2017 19:25

Um dia de Chuva

Written by

Um domingo de chuva, sair não apetecia, mas o telefone não parava de cair mensagens, com algum esforço lá saí , lá fui ter com me estava a incutir o desassossego. Andamos alguns kms pelo nosso Ribatejo, mesmo com chuva nada nos impediu de fazer alguns click's. De regresso percorremos os miradouros da Vila da Chamusca a chuva pairou e de um desses lugares da Vila o olhar sobre a nossa Lezíria.


Tuesday, 07 March 2017 22:18

A minha Vila Coruche

Written by

Nada melhor para caracterizar a minha Vila que as palavras de Almeida Garret que tão bem contou nas suas "Viagens na Minha Terra" "..."… breve nos achamos em plena charneca. Bela e vasta planície! Desafogada dos raios de sol, como ela se desenha aí no horizonte tão suavemente! Que delicioso aroma selvagem exalam estas plantas, acres e tenazes de vida, que a cobrem e que resistem verdes e viçosas a um sol português de Julho!".
Aproveito e convido amanhã a estar presentes na Inauguração da IV Colectiva Criativa e Artística DIM|DECA_Coruche_V Plano Nacional Igualdade, Não Discriminação e Cidadania.


Saturday, 21 January 2017 22:22

O Sorraia

Written by

A minha vila e o meu rio. Com um percurso de 60 Km, é junto à aldeia do Couço, na Herdade de Entre Águas, que se juntam a ribeira do Sor e a do Raia. Desta união nasce o meu rio, o Sorraia. Calmamente atravessa o Concelho deixando na sua margem direita a Vila de Coruche, juntando-se ao Tejo em plena Lezíria um pouco acima de Vila Franca e Xir


Friday, 20 January 2017 09:44

Uma manhã de janeiro

Written by

Uma manhã fria de inverno mas ensolarada, ainda com a charneca Ribatejana branca pela geada da madrugada, caminhando encontrei no meio do nada este lindo lago! Observei os fenómenos da natureza vendo a evaporação da água devido às baixas temperaturas. Se não tivessemos estes dias carateristicos do mês de janeiro e do inverno, a estação que se aproxima não seria tão agradável! Tudo a seu tempo e no tempo certo!


Friday, 11 November 2016 22:21

In Golegã

Written by

Sim eu fui à Golegã com a Rossana, é da praxe esta visita nesta época do ano! Tambem sei que por vezes vou copiando algumas edições, mas nãó é plágio ou porque quero emitar, eu só quero aprender algumas técnicas de edição e como ela é 'pró' eu tento fazer igual, para além disso no curso que fizemos no Instituto de Fotografia um dos exerxícios era copiar um fotógrafo famoso! E Digo não é fácil copiar :).


Friday, 11 November 2016 09:49

O carrinho das castanhas (Golegã)

Written by

O tempo arrefeceu, o outono está a chegar, a natureza dá os seus primeiros sinais com as copas das árvores amarelecidas e o sol escondeu-se e lá vamos nós caminhando na direção da Vila da Golegã. O cheirinho a castanhas assadas que, na feira do cavalo teima em pairar no ar, faz com que não se consiga resistir a esta excelente opção. Do que estàs á espera? Não resisto às "Quentes e boas"!