Thursday, 12 October 2017 19:27

Sempre Bela

Não vou dizer muito, quem olhar e observar a imagem dirá a sensação que ela lhe provoca. Eu sou suspeita a dizer qualquer coisa... não me canso de olhar de observar e de ficar ali na margem do rio a reflectir e a admirar a minha sempre bela Vila de Coruche espelhada no Sorraia


Published in Santarem
Sunday, 01 October 2017 15:57

'A minha escola'

Hoje senti-me profundamente emocionada e nostálgica, quando me desloquei com a minha mãe à mesa de voto para ela exercer o seu dever cívico. O edifício é enigmático, surpreendente, carregado de história, com uma áurea mística e a prova de como o tempo passa a correr. Ainda ontem era o dia 7 de outubro de 1965, em que pela mão da minha avó paterna eu cheguei a esta edifico para começar o meu percurso escolar. Foi este o espaço que me acolheu em outubro de 1965, em que este pátio hoje coberto de folhas caídas era um verdadeiro jardim colorido cheio de rosas e malmequeres. Hoje é um edifício perdido no tempo igual a tantos outros que encontramos pelo nosso Portugal completamente ao abandono mas carregados de história!


Published in Santarem
Friday, 29 September 2017 18:11

Silêncio

“Existe no silêncio, uma tão profunda sabedoria que às vezes ele se transforma na mais perfeita resposta.” (Fernando Pessoa).


Published in Santarem
Friday, 05 May 2017 18:45

O Carvão de Santana do Mato

Em Santana do Mato há produção de carvão vegetal, não tem nada de secreto. Madeira de sobreiro e azinho são colocados e empilhados nos fornos, em forma de iglos construídos com cimento, tijolo e saibro. Cada forno produz cerca de 3.200 a 3.300 quilos de carvão, fruto da transformação da madeira submetida a intenso calor ao longo de três a cinco dias. Os fornos tem um arrefecimento de 8 dias para se posa colocar nova fornada. Para ficarem com conhecimento gasta-se nos fornos de Santana do Mato por mês mais ou menos 400 toneladas de madeira.


Published in Santarem
Tuesday, 07 March 2017 22:18

A minha Vila Coruche

Nada melhor para caracterizar a minha Vila que as palavras de Almeida Garret que tão bem contou nas suas "Viagens na Minha Terra" "..."… breve nos achamos em plena charneca. Bela e vasta planície! Desafogada dos raios de sol, como ela se desenha aí no horizonte tão suavemente! Que delicioso aroma selvagem exalam estas plantas, acres e tenazes de vida, que a cobrem e que resistem verdes e viçosas a um sol português de Julho!".
Aproveito e convido amanhã a estar presentes na Inauguração da IV Colectiva Criativa e Artística DIM|DECA_Coruche_V Plano Nacional Igualdade, Não Discriminação e Cidadania.


Published in Santarem
Saturday, 21 January 2017 22:22

O Sorraia

A minha vila e o meu rio. Com um percurso de 60 Km, é junto à aldeia do Couço, na Herdade de Entre Águas, que se juntam a ribeira do Sor e a do Raia. Desta união nasce o meu rio, o Sorraia. Calmamente atravessa o Concelho deixando na sua margem direita a Vila de Coruche, juntando-se ao Tejo em plena Lezíria um pouco acima de Vila Franca e Xir


Published in Santarem
Thursday, 29 December 2016 21:34

Happy New Year 2017

My wishes for you in year 2017
Great start for Jan,
Love for feb.
Peace for march.
No worries for april.
Fun for may,
Joy for june to november,
Happiness for december,
Have a lucky and wonderful 2017


Published in Conceptual
Sunday, 10 April 2016 20:05

Casas Rurais

Casas Rurais

A minha infancia foi vivida numa zona rural, são estas as casas que me lembro. Enquanto criança por ali corria e brincava à cabra cega, às escondidas, ao cavalo piado! Eram jogos que nos enchiam, que nos cansavam e nos faziam ir cedo para a cama! Hoje apenas há memórias desses momentos felizes!

Published in Ruralidades